A minha formação é melhor que a tua!


Nova semana e novo artigo por aqui, hoje decidi falar de formações. Não só ao nível das posições em campo, mas também sobre as escolinhas de formação em Portugal. São dois temas diferentes, serão mesmo? A verdade é que bem vistas as coisas ambas estão interligadas. 

Querem melhor exemplo que o Barcelona? A grande maioria das estrelas catalãs jogam no mesmo onze desde que se lembram de existir e esteja decidido jogar em 4x3x3 ou em qualquer outra formação táctica a realidade é que eles sabem, de olhos fechados, que se cruzarem a bola à entrada da área vai estar naquela posição um deles. Não é preciso treinar quase, há relações que se baseiam na confiança nos parceiros em campo e o resto é o que se vê... Também é certo que nem sempre corre bem, mas a prova de que isto resulta é que o Barça é um dos grandes clubes do Mundo. 

Mas vamos agora pensar no caso português.... Benfica, Porto e Sporting acabam por ser os clubes onde as escolinhas de formação têm mais importância. "A escola do Sporting é a melhor da Europa.... Formou dois jogadores que foram considerados os melhores do Mundo!"; "Ahh não, mas espera, estás a esquecer-te que a do Benfica tem a melhor tecnologia e tem a formação que deu mais lucro nos últimos 4 anos!"; "oioi? E o Porto? Nós fomos penta-campeões em que metade do plantel era feito de portugueses e a grande maioria foi nascida e criada nas Antas!!". 

Seja como for a verdade é que no nosso País ainda se pensa pequenino nesse sentido. Parecemos os miúdos da primária "A minha formação é melhor que a tua!"; "Não, não, a minha é que é!". Há que crescer e perceber que ter a escola com mais tecnologia ou ter a melhor escola de formação da Europa por si só não vale de muito. 

O que interessa , em última instância, é a qualidade dos miúdos que lá estão, o quanto eles cresceram enquanto passaram pelos júniores e pelos B's e a forma como eles saem para outras paragens ou como chegam à equipa principal. 

Eu até posso ter um miúdo que na escolinha chamou a atenção a meio Mundo, mas se ele com 17 anos não sabe o que é subir no terreno e posicionar-se para lidar com o contra-ataque não me adianta de grande coisa. 

Sim, eu também sei que é difícil ensinar a miúdos de 3 ou 4 anos o que é um trinco, mas não acredito que aos 7 e aos 8 eles sejam demasiado pequenos. A técnica, a táctica e o talento são pilares essenciais na vida de um jogador e se forem bem acompanhados desde o inicio um dia chegarão a campo e se se mantiverem com os colegas que foram evoluindo com eles, não vão precisar de grandes indicações vindas do banco, porque os 3 T's foram, bem, incutidos desde sempre. 

Vejo-vos quarta! :)