Benefícios Actividade Física

Antes de contextualizar a importância da prática de actividade física, importa esclarecer a definição de alguns conceitos, a saber: actividade física, exercício físico, desporto e aptidão física.

Segundo o ACSM (2009), Actividade Física pode ser definida como qualquer movimento corporal que é produzido pela contracção músculo-esquelética, e que acarreta dispêndio energético (por exemplo, ir às compras, subir as escadas, caminhar, etc). Por sua vez, Exercício Físico já consiste numa Actividade Física voluntária, planeada e estruturada, que permite melhorar a condição física e a saúde. O Desporto, já consiste numa Actividade Física regulamentada, de carácter individual ou colectiva, cuja finalidade é alcançar o melhor resultado ou vencer lealmente em competição. Apresenta regras e assenta sobre a ideia de confronto com um elemento definido: distância, tempo, adversário ou por generalização, contra si próprio. Por último, a Aptidão Física relaciona-se com o conjunto de atributos que as pessoas possuem ou alcançam. Pode-se subdividir em 3 áreas: dos skills (relacionada com equilíbrio, coordenação, agilidade,etc), da Saúde (aptidão cardiorespiratória, força e resistência muscular) e Fisiológica (relaciona-se com os sistemas biológicos, nomeadamente aptidão metabólica, óssea, etc).

Segundo dados do Eurobarómetro Especial da Comissão Europeia (2004), Portugal é o país da Europa com maior taxa de sedentarismo. Citando outro autor (Salomé Marivoet, 2001), num estudo realizado sobre os Hábitos Desportivos da População Portuguesa e editado pelo Instituto Nacional de Formação e Estudos do Desporto, estima-se que apenas 23% da população realiza alguma prática desportiva. Cientes de que o sedentarismo é um factor de risco para grande parte das doenças crónicas, nomeadamente para as DCV, tendendo a reduzir a esperança média de vida, urge contrariar este baixa taxa de participação física. Um estudo pioneiro que confirmou esta relação inversamente proporcional entre actividade física e taxa de doenças coronárias, foi realizado em Inglaterra, e envolveu os condutores e revisores dos autocarros de Londres com dois andares. Os revisores dos autocarros subiam 500 a 750 escadas por dia de trabalho, alcançando uma frequência cardíaca média de 106 bpm. Nos condutores, mais sedentários do que os revisores, foi observada uma maior taxa de doenças coronárias.

Também Paffenberger, um dos cientistas que mais se destacou na área da epidemiologia da actividade física, num estudo em 1986 concluiu que os sujeitos mais activos fisicamente e que despendiam mais calorias, tinham um índice de mortalidade menor. Quando o risco relativo (risco relativo = incidência com risco/ incidência sem risco) se encontra abaixo de 1, significa que aquele estímulo funciona enquanto protector.

Também a aptidão cardiorespiratória é um marcador do funcionamento cardiovascular e tem um efeito profiláctico na prevenção das DCV.